BRAZIL – Apesar de críticas, PM fez curso para controlar massas antes de atos no RJ [Despite criticism, Rio military police are still learning how to control demonstrators – including the use of tasers] (2013-08-27)

Published on August 27 2013 by admin

[[SUMMARY / COMMENTS : (Edited translation from Portuguese; the original text appears below the translation, in italics. A long post. The Rio de Janerio military police are undergoing $7.7 million training in non-lerthal weapons in preparation for the 2014 FIFA World Cup, particularly “Crowd Control and Civil Disorders”, taught by Spanish officers, including tasers – the same that was used against the student Bruno Ferreira Telles, 25, on July 2, in Rio’s South Zone. All this is in contradiction to the UN Code of Conduct for police. Amnesty International is protesting. There is a serious problem of “police culture” in Brazil.]]

O Globo

For Amnesty International, excessive force comes from the ‘culture of violence’.

The Security Bureau has admitted that police are ‘still learning’.

The military police in Rio – who have been criticized for acting violently to break up protests started in June – are undergoing special training courses in preparation for the World Cup 2014, an investment of more than U.S. $7.7 million, according to the Ministry of Justice. Among the more than 30 courses completed or in progress, two are attention-grabbing: Crowd Control and Civil Disorders, and Progressive Use of Force and Employment of Less-Lethal Technologies, appearing in a list made up by the Security Bureau of the Rio.

In theory, the techniques learned would be useful to make of PM more effective in handling protests. However, the supposed lack of preparedness of the police has been questioned by protesters, civil society organizations and experts as a cause for wrongdoings in the protests, most of the police reactions being caught by the press and by activists armed with cameras and mobile phones. Security Secretary José Mariano Beltrame admitted the lack of ability of the troops said ina n interview last July, the police are “still learning” to handle every kind of demonstration.

Agreements have been signed by the state of Rio, one of the host cities of the FIFA World Cup, the Ministry of Justice – through the National Secretariat of Public Security (Senasp ) and the Special Secretariat of Security for Major Events (Sesge) – for training military and civilian police.

There are also training procedures that are the result of partnerships with other countries like USA, Spain and Germany, with some training even outside the country. The goal of the Rio Security Bureau is to train 12,600 civil and military police to control the big events .

Theory and Practice

In March , three months before the beginning of the wave of protests, police officers trained in “Mass Control”, with simulated civil unrest containment using less-lethal weapons, at the headquarters of the Shock Battalion (BPChq) in Estacio. The course was taught by Spanish officers.

In November 2012, other groups of policemen were trained in Progressive Use of Force and Employment of Less Lethal Technologies, the training costing more than £1 million and made through one of the agreements signed with Senasp.

In 40 hours of intensive theoretical and practical lessons, the course addressed issues such as human rights, crisis management and the use of less lethal technologies, such as firing rubber bullets, tear gas pepper spray light and sound grenades and handling of taser electroshock weapon – the same that was used against the student Bruno Ferreira Telles, 25, arrested in a protest on July 2, in front of the Guanabara Palace, in Rio’s South Zone, accused by military police of having thrown a Molotov cocktail. When he lay on the ground, the young man received new shocks. The Justice of Rio dropped charges against Bruno for lack of evidence.

On August 19, police officers were accused of committing excesses in the neighborhood of Catete, in the south, where demonstrators dispersed after a protest. After the release of videos that show and military policemen dispensing pepper spray – in an uncontrolled way and seemingly without reason – against demonstrators and journalists. The police officer who appears in the images will be investigated.

This case came just two weeks after Colonel Luis Castro took overall command of the Military Police, promising to establish dialogue with the protesters.

How the military police coped during demonstrations, as well as the disappearance of mason Amarildo Souza in Rocinha, in Rio’s South Zone, have contributed to a crisis in the Rio security area, leading to the resignation of the previous commanding general of the PM, Erir Ribeiro da Costa Filho.

Conduct outside the UN standards

The light and sound grenade, used in police training, is the kind of weaponry that led to Renata Peace Ataíde losing sight in his left eye during one of the largest demonstrations in Rio on June 20 . In August , a court decision forced the state to pay for Renata’s treatment.

Two days earlier, another case of abuse had already drawn attention. During a protest at the Legislative Assembly of Rio, on the 17th of June, photographers and cameramen caught the moment when a police officer fires pepper spray in the face of a woman without her having made any threat. On the same night, plainclothes police were caught firing rifle shots into the air during the protest.

Almost a month later, on June 11, during a protest outside the Guanabara Palace, police fired on the facade of a nursing home that shattered a glass door. There was gas from the bombs thrown by military police as they stormed the hospital, reaching the wards.

The conduct of the police in these cases does not reach the standards set by the United Nations. The good practice guide for policing public events – drafted by Amnesty International in 2012 and based on the UN Code of Conduct for police – says that “where a small minority tries to turn a peaceful protest into violence, the police should protect peaceful demonstrators and not use the violent acts of a few as a pretext to restrict or impede the exercise of the right of the majority to speak.”

Elsewhere, the document warns of the risks of improper use of less lethal weapons. “Policing and security equipment, such as rubber bullets and tear gas, often described as weapons ‘less lethal’, can result in serious injury and even death. Chemical irritants such as tear gas, should not be used indoors or in a manner that may cause permanent harm (eg., very close to the target or aiming straight at the people’s faces),” says the text, which also emphasizes that “firearms should never be used to disperse a crowd.”

“This approach reflects a culture of violence and a distance between police and society” said Maurício Santoro , chairperson of Human Rights Amnesty International in Brazil

Police culture

For the political scientist and adviser to Human Rights Amnesty International in Brazil , Maurício Santoro, cases of excessive use of force are caused by the lack of preparation of military police associated with a “culture of violence”. He said the change of command of the PM does not change the performance of the troops, since, at no time has the State publicly admitted that the police acted wrongly in the protests.

“One time we noticed a lack of preparation, and the officers lost his cool. But there were cases where the police used gas in hospitals. No one needs to be trained to know that you can not do that. And in using rubber bullets, the correct technique is to shoot the ground, but what we saw was the police firing with high level of precision in the direction of the faces of the people. This approach reflects a culture of violence and a major gap between police and society. There are UN standards for the use of less-lethal weapons that are not being respected. The police did not act as an organ of state, but as an organ of government,” said Santoro.

The vice president of the OAB – RJ , Ronaldo Cramer believes that the cause of the problem is that the police facing social movements see them as “enemies”.

” This is a problem of military police culture, treating these movements as adversaries. It’s not just a matter of training, culture is the same throughout the Armed Forces: in combat, you see the other as an enemy. It is something that has persisted since the time of the dictatorship. It is not lack of training, but the institution is not prepared to deal with democratic movements,” said Cramer.

Nothing will change as long as the police do not understand that their obligation is to guarantee citizenship” said Ana Paula Miranda, an anthropologist, who also believes that the excesses and arbitrariness are not linked to poor training of PMs.

“Demonstrations have great confusion anywhere in the world. In some places, such as Argentina, they are even more violent. But there the police function is to contain demonstrations, preventing the turmoil from spreading. Here, the military police lose control and it turns into street-fighting. Techniques of crowd control are to disperse people. Isolate one group that is causing confusion and ensure that others can continue without getting hurt. But what are they doing here? The police chase and beat protesters at the time of dispersal of the protest, arresting anyone who is in the front,” she said .

Ana Paula, who is a former president of the Institute of Public Security of Rio (ISP), further states that as long as the institution is not rethinking its role in society, training courses will be in vain.

” If you ask, they will tell the technique of color (???), but, in time, they make it different. They use pepper spray insecticide, spraying less than 30 inches from the faces of the people and know they should not do so. It is an institutional and political issue. The police need to rethink what their role is in our society. Who are the police serving? The police exist to guarantee citizenship and manage conflicts. One can replace the commander, assistants, and give an additional $7 million for training. Nothing will change as long as the police do not understand that their obligation is to guarentee the security of citizens,” she added.

http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/2013/08/apesar-de-criticas-pm-fez-curso-para-controlar-massas-antes-de-atos-no-rj.html

 

Apesar de críticas, PM fez curso para controlar massas antes de atos no RJ

Para Anistia Internacional, excesso de força vem da ‘cultura da violência’.

Secretaria de Segurança admitiu que polícia está ‘aprendendo’.

Os policiais militares do Rio – que vêm sendo alvo de críticas pela atuação nos protestos iniciados em junho – estão passando por cursos especiais de preparação para a Copa do Mundo de 2014, num investimento de mais de R$ 7,7 milhões, segundo dados do Ministério da Justiça. Dentre os mais de 30 cursos concluídos ou em andamento, dois chamam a atenção: Controle de Massa e Distúrbios Civis, e Uso Progressivo da Força e Emprego de Tecnologias Menos Letais, que constam em uma lista da Secretaria de Segurança do Rio.

Em tese, as técnicas aprendidas seriam úteis para tornar a atuação da PM nos protestos mais eficiente. No entanto, a suposta falta de preparo dos policiais tem sido apontada por manifestantes, organizações da sociedade civil e especialistas como causa para arbitrariedades cometidas nos protestos, a maioria flagrada pela imprensa e por ativistas munidos de câmeras e celulares. Até o secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, admitiu a falta de habilidade da tropa ao dizer numa entrevista, em julho passado, que a polícia está “aprendendo” a atuar a cada manifestação.

O G1 procurou a Polícia Militar na quinta-feira (22) e na sexta-feira (23), mas nenhum representante da corporação foi localizado para falar sobre o assunto até a última atualização desta reportagem.

Os convênios foram firmados pelo estado do Rio, uma das cidades-sede do Mundial da Fifa, com o Ministério da Justiça — através da Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp) e da Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos (Sesge) — para a capacitação de policiais militares e civis. Há ainda treinamentos que são fruto de parcerias com outros países como EUA, Espanha e Alemanha, com cursos realizados, inclusive, fora do país. A meta da Secretaria de Segurança do Rio é capacitar 12,6 mil policiais civis e militares ao final dos grandes eventos.

Teoria x prática

Em março, três meses antes do início da “onda” de manifestações, policiais militares fizeram um curso de Controle de Massa, com simulação de contenção de distúrbios civis com o uso de armas menos letais, na sede do Batalhão de Choque (BPChq), no Estácio. O curso foi ministrado por oficiais espanhóis.

Em novembro do ano de 2012, outras turmas de policiais militares se formaram no curso de Uso Progressivo da Força e Emprego de Tecnologias Menos Letais, que custou mais de R$ 1 milhão e foi realizado através de um dos convênios firmados com a Senasp.

Em 40 horas intensivas de aulas teóricas e práticas, o curso abordou questões como direitos humanos, gerenciamento de crises e emprego de tecnologias menos letais, como disparos de balas de borracha, bombas de gás, spray de pimenta, granadas de luz e som e manuseio da taser, arma que dispara eletrochoque – a mesma que foi usada contra o estudante Bruno Ferreira Telles, de 25 anos, detido no protesto do dia 22 de julho, em frente ao Palácio Guanabara, na Zona Sul do Rio, acusado por PMs de ter atirado um coquetel molotov contra a tropa. Na ocasião, mesmo caído no chão, o jovem recebeu novos choques. A Justiça do Rio arquivou o processo contra Bruno por falta de provas.

No dia 19 de agosto, policiais militares foram acusados de cometer excessos no bairro do Catete, na Zona Sul, quando manifestantes se dispersavam após um protesto. Depois da divulgação de vídeos que mostram um PM jogando spray de pimenta – de maneira descontrolada e aparentemente sem motivo – contra manifestantes e jornalistas, a corporação afastou das ruas o policial que aparece nas imagens e afirmou que a conduta dele seria apurada.

O caso aconteceu apenas duas semanas depois do coronel Luís Castro assumir o comando geral da Polícia Militar, quando prometeu estabelecer diálogo com os manifestantes.

A estratégia de enfrentamento da Polícia Militar durante as manifestações, assim como o desaparecimento do pedreiro Amarildo de Souza, na Rocinha, na Zona Sul do Rio, contribuíram para uma crise na área de segurança do Rio que culminou com a exoneração do então comandante-geral da PM, Erir Ribeiro da Costa Filho.

Conduta fora dos padrões da ONU

A granada de luz e som, utilizada no treinamento dos policiais, foi tipo de armamento que levou a publicitária Renata da Paz Ataíde perder a visão do olho esquerdo durante uma das maiores manifestações realizadas no Rio, no dia 20 de junho. Em agosto, uma decisão judicial obrigou o estado a custear o tratamento de Renata.

Dois dias antes, outro caso de abuso já havia chamado a atenção. Durante um protesto na Assembleia Legislativa do Rio, no dia 17 de junho, fotógrafos e cinegrafistas flagraram o momento em que um policial militar dispara spray de pimenta no rosto de uma mulher sem que ela tivesse oferecido qualquer ameaça. Na mesma noite, policiais à paisana foram flagrados disparando tiros de fuzil para o alto durante o protesto.

Quase um mês depois, em 11 de junho, durante protesto em frente ao Palácio Guanabara, policiais atiraram contra a fachada de uma casa de saúde, que porta de vidro estilhaçada. O gás das bombas lançadas pelos PMs invadiu o hospital, chegando até as enfermarias.

A conduta dos policiais, nestes casos, não obedece a padrões estabelecidos pela Organização das Nações Unidas. O guia de boas práticas para o policiamento em manifestações públicas – elaborado pela Anistia Internacional em 2012 com base no Código de Conduta da ONU para policiais – diz que “nos casos em que uma pequena minoria tenta transformar uma manifestação pacífica em violenta, os policiais devem proteger os manifestantes pacíficos e não usar os atos violentos de alguns poucos como um pretexto para restringir ou impedir o exercício do direito da maioria se manifestar”. Leia o texto completo no site da Anistia Internacional.

Em outro trecho, o documento faz um alerta sobre os riscos do uso indevido de armamento menos letal. “Equipamento de policiamento e segurança, tais como balas de borracha e gás lacrimogêneo, frequentemente descritas como armas ‘menos letais’, podem resultar em lesões graves e até mesmo à morte. Irritantes químicos, como gás lacrimogêneo, não devem ser usados em ambientes fechados ou de uma maneira que possam causar danos permanentes (por exemplo, muito perto do alvo ou mirando diretamente no rosto das pessoas)”, diz o texto, que ressalta ainda que “armas de fogo nunca devem ser usadas para dispersar uma multidão”.

Essa conduta reflete uma cultura de violência e uma distância da polícia com a sociedade”

Maurício Santoro, assessor de Direitos Humanos da Anistia Internacional no Brasil

Cultura da corporação é alvo de críticas

Para o cientista político e assessor de Direitos Humanos da Anistia Internacional no Brasil, Maurício Santoro, os casos de excesso no uso da força seriam provocados pela falta de preparo dos PMs associada a uma “cultura da violência”. Segundo ele, a troca de comando da PM não muda a atuação da tropa, já que, em momento algum, o estado admitiu publicamente que a polícia agiu de maneira errada nos protestos.

“Houve um momento em que a gente percebia falta de preparo, os policiais perdiam a calma. Mas houve casos em que a polícia lançou gás em hospitais. Ninguém precisa ser treinado para saber que não pode fazer isso. E no uso da bala de borracha, a maneira correta é disparar para o chão, mas o que a gente viu foi a polícia disparando com alto nível de precisão na direção do rosto das pessoas. Essa conduta reflete uma cultura de violência e uma distância da polícia com a sociedade. Há padrões da ONU para utilização de armamento menos letal que não são respeitados. A polícia não age como órgão de estado, mas como órgão de governo”, afirmou Santoro.

O vice-presidente da OAB-RJ, Ronaldo Cramer, acredita que a causa do problema é o fato da corporação encarar os movimentos sociais como “inimigos”.

“Isso é um problema de cultura da Polícia Militar, de tratar esses movimentos como adversários. Por mais que façam cursos, a cultura é a mesma das Forças Armadas: a do combate, de ver o outro como inimigo. É algo que persiste desde a época da ditadura. Não se trata de falta de treinamento, mas do conceito da instituição que não é preparada para lidar com os movimentos democráticos”, afirmou Cramer.

Nada vai mudar enquanto a polícia não entender que sua obrigação é garantir a cidadania”Ana Paula Miranda, antropóloga

A antropóloga Ana Paula Miranda também acredita que os excessos e arbitrariedades não estão ligados à má formação dos PMs.

“As manifestações têm confusão em qualquer lugar do mundo. Em alguns lugares, como a Argentina, são ainda mais violentas. Mas lá a polícia tem a função de conter, impedir que o tumulto se alastre. Aqui, ele perde o controle e vira uma briga de rua. A técnica de controle de massa é dispersar. Isolar aquele grupo que está provocando a confusão e garantir que os outros possam sair sem se machucar. Mas o que fazem aqui? Os policiais perseguem e batem em manifestantes no momento da dispersão do protesto, prendem qualquer um que estiver pela frente”, disse.

Ana Paula, que é ex-presidente do Instituto de Segurança Pública do Rio (ISP), afirma ainda que enquanto a instituição não repensar seu papel na sociedade, cursos de capacitação serão em vão.

“Se você perguntar, eles vão dizer a técnica de cor, mas, na hora, fazem diferente. Eles usam spray de pimenta como se fosse inseticida, jogam a menos de 30 centímetros do rosto das pessoas e sabem que não pode. É uma questão institucional e política. A polícia precisa repensar qual é o papel na sociedade. A quem a policia serve? A polícia existe para garantir a cidadania e administrar conflitos. Pode trocar o comandante, o secretário, dar mais R$ 7 milhões para cursos. Nada vai mudar enquanto a polícia não entender que sua obrigação é garantir a cidadania”, finalizou.

http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/2013/08/apesar-de-criticas-pm-fez-curso-para-controlar-massas-antes-de-atos-no-rj.html

 

 

 

Comments are closed.